Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

REUNIÃO SOBRE ABORDAGEM DE MEDICAMENTOS PRECOCE DA COVID-19 - ..::Rádio Amizade FM::..

Fale conosco via Whatsapp: +55 49 9 8851 5737

No comando: MOMENTO DESPERTAI Com Pe. Ezequiel Dal Pozzo

Das 06:30 às 06:35

No comando: AGRONEGÓCIO HOJE Com Fecoagro

Das 06:35 às 06:45

No comando: BOM DIA TRABALHADOR Com Joemerson Medeiro

Das 06:45 às 08:00

No comando: SHOW DA MANHÃ Com João Paulo Luchtenberg

Das 08:00 às 10:00

No comando: EXPERIÊNCIA DE DEUS

Das 10:00 às 11:00

No comando: SHOW DA MANHÃ Com João Paulo Luchtenberg

Das 11:00 às 11:30

No comando: CAMINHANDO NA FÉ – Com Maria Farias

Das 11:30 às 12:00

No comando: JORNAL DOS TRABALHADORES

Das 12:00 às 12:15

No comando: ALMOÇANDO COM MÚSICA

Das 12:15 às 13;30

No comando: SHOW DE BANDAS Com Nylcynho Mot@

Das 13:30 às 15:30

No comando: SHOW DE BANDAS Com Nylcynho Mot@

Das 14:00 às 15:30

No comando: ESTAÇÃO 104 – Com Nylcynho Mot@

Das 15:45 às 17:00

No comando: OH DE CASA – Com Edson Cruz

Das 17:00 às 18:00

No comando: ORAÇÃO DA AVE MARIA – Com Paróquia São Paulo Apóstolo

Das 18:00 às 18:15

No comando: ORAÇÃO DA AVE-MARIA Com Jaime José de Farias

Das 18:00 às 18:30

No comando: OH DE CASA Com Edson Cruz

Das 18:10 às 19:00

REUNIÃO SOBRE ABORDAGEM DE MEDICAMENTOS PRECOCE DA COVID-19

Proposta pela prefeita de Vargem, Milena Lopes, que também preside o Consórcio Intermunicipal de Saúde – CIS/AMURES foi promovida nessa segunda-feira (27) reunião virtual com Prefeitos e Secretários de Saúde das regiões da Serra e do Planalto Sul Catarinense. Em pauta, uso de medicação precoce aos pacientes que apresentarem sintomas de Covid-19.

.

Na oportunidade, uma equipe de médicos do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) e do Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina – CRM/SC, apresentaram Projeto de Pesquisa com medicação amplamente divulgada como tratamento inicial da doença.

.

A preocupação dos gestores relaciona-se ao aumento dos casos e o quadro de agravamento da saúde dos pacientes recaindo sobre o Poder Público o encaminhamento à internação hospitalar, numa rede de leitos já sobrecarregados.

.

Sendo assim, uma das alternativas seria uso de medicamentos, considerados não antivirais, mas com eficácia comprovada na fase precoce da doença do Covid-19.

.

Neste sentido, há estudos desenvolvidos nos EUA e na China e alguns em desenvolvimento na região Norte do Brasil que demonstram os resultados positivos no combate a instalação do coronavírus no organismo.

.

Um dos defensores desta ação preventiva é o médico Luciano Dias Azevedo. Durante sua explanação explicou os 3 estágios da doença. Ele efatiza uma atuação horizontal do médico conforme os sintomas do paciente.  Com isso, a entrada com fármacos caberia, posteriormente, a defesa natural do organismo (sistema imunológico) quando não conseguir conter a ação do vírus.

.

No segundo estágio da doença, a medicação proposta teria a função de atrapalhar a replicação do vírus no organismo do paciente, evitando o desenvolvimento da doença. Caso de agravamento, considerada 3ª fase (inflamatória), há necessidade de tratamento intensivo hospitalar.

.

O procedimento é tratado pela classe médica como procedimento preventivo.

.

A representante do CRM/SC, a médica Graziela Schmitz Bonin, reiterou a necessidade de proteção à autonomia do médico que, no atual contexto, considere adequado o emprego de tratamento medicamentoso precoce em seus pacientes, em decisão compartilhada entre ambos.

.

Recomendou aos gestores que envidem esforços para que a população tenha acesso a avaliação médica no início do quadro e os meios necessários para fazê-lo. E por último, reforçou a importância da dosagem correta e risco de automedicação pela população.

.

Luciano, que também é coordenador nacional de um grupo de médicos que defende a abordagem precoce da Covid-19 esclarece que 85% dos contaminados são assintomáticos e dos 15% que manifestam sintomas, cerca de 30% podem evoluir para forma grave da doença, caso não haja tratamento preventivo.

.

Ele tranquiliza à população que pacientes assintomáticos não precisam ser tratados e propõe que o Ministério Público (MP) avalize o uso precoce dos fármacos, mesmo que até o momento não haja evidências científicas robustas que possibilitem a indicação de terapia farmacológica específica para a Covid-19.

.

Após explanação da classe médica, foi sugerida à criação  de  um Grupo de Estudos para as regiões da AMURES, AMPLASC e AMMOC. A efetivação do grupo dependerá de aprovação da Comissão Intergestora Regional- CIR, explica a prefeita Milena.

.

A prefeita de Vargem destaca a importância da tomadas de decisões urgentes, mas com embasamento jurídico e técnico no enfrentamento à pandemia.

.

Entre os participantes da região da AMPLASC, além da prefeita Milena, acompanhou a reunião o prefeito de Celso Ramos, Ondino Ribeiro de Medeiros e o prefeito de Abdon Batista e presidente da AMPLASC, Lucimar Antônio Salmória.

AMPLASC

Deixe seu comentário: